Pagamento usando PIX em bares ou restaurantes
Entenda como adotar ao Pix em seu bar ou restaurante

Entenda como adotar ao Pix em seu bar ou restaurante

Entenda como adotar ao Pix em seu bar ou restaurante

Pagamento usando PIX em bares ou restaurantes

Há tempos que não havia uma mudança significativa no assunto transferências e pagamentos bancários. DOC e o TED assumiram e mantiveram um protagonismo nesse âmbito, porém chegou um novo sistema e com ele inúmeras possibilidades e benefícios! 

Intitulado de Pix, esse é o novo modelo de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central que entrou em vigor há alguns meses e já é visto como sucesso, principalmente, nas grandes capitais.

Com o processo recém disponibilizado, os valores que antes demoravam algumas horas ou dias para entrar na conta, e somente em dias úteis, apresentam débito imediato – e em qualquer horário e dia, incluindo transferências noturnas, fins de semana e feriados.

Como funciona o Pix

Pix, Banco Central do Brasil

Sua conta de origem pode ser a conta-corrente convencional, conta poupança ou qualquer outra de pagamento pré-paga. Bancos digitais ou carteiras digitais também podem transferir e receber os recursos em minutos. E, para isso, basta registrar as chaves do Pix que funcionam como um código para aquela conta: pode ser seu CPF, CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou uma chave aleatória – como o nome de seu estabelecimento, por exemplo.

No momento da venda, basta informar um dos dados registrados, sem a necessidade de ter que informar banco, agência ou dados pessoais. Do outro lado, para efetuar qualquer pagamento, basta cadastrar a chave do destinatário e conferir as informações antes de efetuar a transação.

Vantagens e desvantagens do Pix para bares e restaurantes

O pagamento instantâneo está proporcionando novas possibilidades e benefícios para os empreendedores e, em especial, aos donos de bares e restaurantes. Inclusive, o Pix já é considerado uma das grandes apostas do setor de Food Service para ampliar o volume de vendas nos próximos períodos de retomada fixa dos serviços.

Basicamente, a nova modalidade de transações facilita a operação e reduz custos. O que pode proporcionar mais agilidade e conforto para receber os pagamentos de seus clientes. Sendo realizado com apenas alguns cliques no celular, de maneira segura e com o valor entrando instantaneamente em sua conta. 

Entretanto, o novo método de pagamento requer atenção especial para se ter uma integração com o sistema financeiro do local – o que pode ser um problema para pequenos bares e restaurantes que não possuam tecnologia específica para isso. Isso porque o relacionamento não pode se basear na confiança do cliente ao exibir o comprovante de transferência. É preciso um sistema rápido e eficaz que comprove que o pagamento foi realizado. 

Outro diferencial é com os pagamentos à distância que se tornaram mais práticos, favorecendo locais que trabalham com delivery – atualmente, a principal fonte de renda de muitos locais devido às restrições causadas pela pandemia do coronavírus. Porém, nem tudo são pontos positivos. Se para pedidos locais já é complicado a integração do Pix com o caixa, à distância isso pode ser ainda mais complicado. 

Como ainda é novidade e a expectativa é grande, o Pix ainda é protagonista de muitas dúvidas em relação ao seu funcionamento no dia a dia dos estabelecimentos. Por isso, os próximos tópicos responderão questões frequentes sobre o tema.

Veja também:  Lojas na Rua Paula Sousa: guia da rua temática de cozinha industrial em São Paulo
Pagamento por Pix utilizando QR Code

Como funciona o Pix em bares e restaurantes?

Conforme explicamos na introdução, as transações são feitas de forma simples, sendo necessárias apenas uma das informações do cadastro (celular, e-mail, CPF, CNPJ ou chave criada). Ou então, pela leitura de QR Code, fórmula que está ganhando destaque nos estabelecimentos. 

Neste exemplo, a ação acontece da seguinte forma: o cliente realiza o pagamento por Pix em um restaurante usando apenas o celular para fazer a leitura do código QR Code, que irá direcionar para a conta do seu restaurante. Após essa leitura, será solicitada uma confirmação, assim o sistema valida a operação e efetua a transação com o valor exato a ser pago pelo consumidor – e, em segundos, o dinheiro é direcionado. 

Aqui, entra a atenção que comentamos no início do artigo para que haja integração do Pix com o sistema financeiro do estabelecimento. Dessa forma, será garantido que os proprietários recebam, de fato, o valor do cliente. 

O que é preciso fazer para contar com o Pix em seu estabelecimento?

O cadastro para pessoas jurídicas acontece da mesma forma que o das pessoas físicas, como citamos anteriormente. O registro pode ser realizado nos próprios canais do seu banco e não há qualquer restrição a respeito do tamanho da empresa. O serviço está disponível para microempreendedores individuais (MEIs) até grandes redes, basta cadastrar o CNPJ válido em sua instituição. 

Redução de custos

A partir de agora, o que acontece com as maquininhas? Elas continuarão sendo necessárias para aqueles clientes que ainda não adotaram o novo modelo de pagamento. Só que, em geral, as máquinas cobram um percentual em cima de cada transação realizada e, com isso, reduzem a margem obtida em cada venda. Já a proposta do Pix é reduzir esse custo.

Outra redução também está relacionada ao pagamento das transferências bancárias. Cada instituição cobra um valor para a transferência a outros bancos e, dependendo do fluxo, isso pode representar um custo significativo. Com o Pix, você economiza nos dois cenários e garante um lucro mais justo ao seu bar ou restaurante. 

Diminuição de filas para pagamentos

Em todos os restaurantes, dias de grande movimentação também significam um número alto de filas para pedidos e pagamentos. Há muita demanda para as maquininhas e, ainda que o cliente pague em dinheiro, é preciso conferir o valor e dar o troco, por exemplo.

Se optar pelo Pix, os pedidos podem ser gerados e pagos na fila, drive thru ou balcão a partir da leitura de um QR Code, como explicamos nos tópicos acima. Dessa forma, a experiência da clientela será mais agradável por ter menos tempo de espera e o seu estabelecimento pode aumentar o giro de atendimentos. 

Agilidade no pagamento de fornecedores e funcionários 

O pagamento a fornecedores e funcionários também pode ser facilitado. Com o pagamento instantâneo, basta autorizar a transação e, assim, diminuir as burocracias dos processos convencionais. Conforme analisamos, o destinatário terá liquidez imediata.

Isso pode ser um meio de negociar descontos com fornecedores para o pagamento à vista. Afinal, ele receberá imediatamente todo o valor, ao invés de parcelamentos ou depósitos mais demorados. Outra vantagem é a velocidade das transferências para os seus colaboradores.

Os valores recebidos também podem ser sacados em caixas eletrônicos, utilizados com o cartão de débito ou movimentados online, normalmente. Não há restrições! 

Fim da era do troco?

 As notas físicas e moedas estão cada vez mais escassas no mercado. Claro, assim como com as maquininhas, os clientes seguirão pagando em dinheiro, porém cada vez menos. 

Veja também:  Tudo o que você precisa saber sobre a Melamina Food Grade

Com as transferências instantâneas, a necessidade de trocos no caixa também será reduzida, já que com apenas o celular, item indispensável para todos, será cobrado do cliente o valor exato que constar no pedido ou na comanda. 

Transações no delivery

Atualmente, os pedidos via delivery são responsáveis por uma enorme parte das receitas dos restaurantes. Ainda que as opções de pagamento tenham sido ampliadas, elas acabam muitas vezes restringindo o público atendido por se basearem em operações de crédito. O que muda drasticamente agora com o Pix. 

Com o pagamento instantâneo, o saldo disponível em qualquer conta bancária ou conta virtual poderá ser utilizado para a quitação das compras pelos sites ou aplicativos de pedidos de comida. Para isso, basta o registro das chaves. 

Desvantagens do Pix

Conforme alertamos na introdução, também há desvantagens no serviço. E usá-lo em pedidos de delivery, como no tópico acima, pode não ser tão simples quanto transferências bancárias, por exemplo. Isso ocorre, porque um dos principais desafios para as empresas é unir o Pix com a gestão do restaurante.

De acordo com um relatório da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), realizado no final de 2020, 43% dos estabelecimentos entendem a falta de integração dos processos como o principal empecilho para a instalação do pagamento instantâneo.

Essa barreira se dá porque o Pix é cadastrado em uma conta de pessoa jurídica. Ou seja, apenas o dono do restaurante terá acesso à comprovação dos pagamentos, o que pode gerar desconforto para os funcionários que verão apenas o comprovante dos clientes, precisando confiar sem haver uma confirmação.  

Outra desvantagem, está na experiência do consumidor. É que este precisará migrar do aplicativo de delivery para realizar a transação e depois retornar para finalizar a compra, o que acaba criando um novo passo a ser seguido e pode desmotivar o cliente. 

Por fim, acompanhar as novidades do mercado e segmento é fundamental para manter o seu bar ou restaurante em ascensão e sempre conquistando novos e antigos clientes. 

Certamente, o Pix veio para reformular o sistema de vendas e tem tudo para se tornar um dos protagonistas entre as transferências e modelos de pagamentos, mas, neste início, vale a atenção e estudo sobre o quanto agregará ao seu estabelecimento ou o quanto pode complicar a experiência de seus clientes e funcionários.

Tenha acesso a conteúdos exclusivos
Tenha acesso a conteúdos exclusivos

Veja também

Veja mais no blog da
Di Pratos Multinox
Gestão
Produtos

Artigos mais recentes
Di Pratos Multinox - Equipamentos para Restaurantes Ltda | CNPJ: 60.048.717/0001-35
Copyright © 2004 - 2021 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por Bravo Bird - Negócios Digitais